UBS do Jardim Oratório de Mauá sofre com invasão de bandidos

Além de furtos de computadores e vacinas; um médico da unidade de saúde já foi sequestrado e nunca mais voltou para trabalhar

Além de furtos de computadores e vacinas na UBS do Jardim Oratório; um médico da unidade de saúde já foi sequestrado e nunca mais voltou para trabalhar  . Foto: Divulgação

 

A UBS (Unidade Básica de Saúde) do Jardim Oratório, em Mauá, tem sido alvo de invasão de bandidos. Nesta semana, os criminosos arrombaram janelas e portas e levaram três computadores. Mas essa não é a primeira vez que o espaço enfrenta sofre com a ação de vândalos, até vacinas já furtaram e recentemente um médico foi sequestrado na porta da UBS e nunca mais voltou para trabalhar.

O local sofre com a falta de profissionais que não querem atuar por conta da falta de segurança. Os moradores também reclamam que nas madrugadas têm sido vítimas de arrastões de bandidos nesta região da cidade.

A Prefeitura de Mauá emitiu uma nota oficial e responsabilizou o governo interino de Alaíde Damo (MDB) que administrou a cidade por quase cinco meses. O prefeito Atila Jacomussi (PSB) foi cassado pela Câmara em abril, mas a Justiça determinou sua volta ao cargo em setembro.

“Detectou-se a falha e descontinuidade nas ações da Saúde. A atual administração agiliza para normalizar a situação e informa que os novos médicos já atuam na UBS Oratório, recebendo mais três plantonistas – chegando a quatro profissionais –, resultando na cobertura médica de segunda a sexta-feira, dentro do horário de atendimento”, afirmou.

De acordo com a Prefeitura, serão 38 profissionais contratados, sendo 28 clínicos e 10 especialistas, para atender a demanda da cidade. Outra situação que está em processo é a distribuição de medicamentos. “Foi  herdado da gestão interina aproximadamente 30% da capacidade total de estoque no almoxarifado central, percentual que chegará a 70% em dezembro em 100% em março de 2020”.

Ainda segundo a administração, haverá ainda a chegada das Carretas da Saúde, tanto clínicas como odontológicas, a partir desta semana, para desafogar a fila de demandas reprimidas no município.

Segurança Pública

A Prefeitura de Mauá informou que na UBS Oratório, há plantão diário de dois agentes da GCM (Guarda Civil Municipal), durante todo o período de funcionamento da unidade, e que à noite, são feitas rondas. Contudo, a ação dos criminosos foi furtiva, já sob investigação.

A administração municipal salientou que a GCM faz um trabalho complementar à Polícia Militar, cooperação que detém a competência da segurança pública e informa que a comunidade, juntamente aos profissionais da UBS, tem se mobilizado para ajudar, por meio de denúncias e do monitoramento local.

O governo ainda citou que haverá em dezembro a inauguração do CCO (Centro de Controle Operacional), que tem como objetivo o monitoramento de espaços e vias públicas, por meio de câmeras e alarmes, para coibir e designar agentes de segurança (GCM ou PM) a fim de autuar os suspeitos em casos de roubos e furtos.

“A GCM aplica na cidade as operações Ponto Seguro, que realiza rondas nos principais eixos do transporte público municipal, coibindo a realização de assaltos aos usuários de transporte público em pontos de ônibus, das 05h às 08h e das 21h à meia-noite”, afirmou.

Segundo o governo de Atila Jacomussi, a Operação Bairro Seguro realiza operações e bloqueios na saída do Rodoanel Mário Covas, de maneira aleatória, com o objetivo de abordar criminosos que utilizam as alças de saída na cidade como rota de fuga.

Por último, a Prefeitura de Mauá afirmou que entregará o novo prédio que será utilizado pata abrigar o 3° Companhia do 30° Batalhão da Polícia Militar, que terá capacidade para cerca de 150 policiais militares, para melhorar a segurança na cidade.