11 de agosto de 2022

Sonho da casa própria vira pesadelo em Mauá

Mais visitadas

 Depois de pagarem pelo apartamento na planta, compradores do Condomínio Cidade de Deus  recebem informação de que terreno é inabitável, porque solo está contaminado

 

cidade de deus
Maquete do Condomínio Cidade de Deus ainda é divulgada em sites de imobiliárias por meio de anúncios. Foto: Reprodução

O que era para ser o sonho da casa própria, virou pesadelo aos compradores de apartamentos no Condomínio Cidade de Deus, na rua Rio Branco, 723/895, em Mauá. Ocorre que o empreendimento não tem autorização da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) para iniciar a construção já que a área foi considerada inabitável, pois foi contaminada por empresas na década de 90.

Os moradores começaram a entrar na Justiça, pois muitos pagaram valores altos. Houve cliente que chegou a desembolsar R$ 100 mil. Natália Teodoro Rodrigues, moradora do Jardim Feital, está entre as pessoas lesadas e acionou o Poder Judiciário e fez a notificação da empresa. “Fomos lesados com a compra de imóveis na planta tudo por intermédio da Igreja Batista Água Viva de Mauá e a gente está na luta para recuperar o dinheiro de volta. Eu enviei uma notificação extrajudicial e o prazo para me fazer o pagamento terminou nesta sexta-feira (15/02), mas a incorporadora não cumpriu e sequer deu retorno”, afirmou Natália.

A Cetesb confirma problemas no solo. “A contaminação é resultante da atividade das indústrias químicas Uniroyal e Unimauá, que fecharam na década de 1990 e posteriormente a área foi comprada pela Igreja Batista Água Viva. Na transição de proprietários, ocorreu o desmembramento do terreno e, a partir de 2010, a igreja ficou com uma parte e a Leblon Transportes ficou com outra. A Cetesb solicitou aos novos proprietários uma investigação detalhada e as medidas propostas para intervenção e remediação das áreas. Até a conclusão da investigação e parecer da Cetesb sobre a proposta de reutilização das áreas, o local não pode ser ocupado”, informou a Cetesb por meio de nota oficial divulgada à imprensa.

Os moradores lesados no sonho da casa própria informam que a Prefeitura concedeu um alvará provisório, em cerimônia que contou com a presença do prefeito Atila Jaocmussi (PSB) no fim do ano passado, dias antes de o prefeito ser preso pela Polícia Federal. A administração da prefeita interina Alaíde Damo (MDB) foi procurada, mas até o fechamento da reportagem não havia dado retorno. Assessores próximos ao prefeito que deve retornar ao cargo nesta segunda-feira (18/02), após deixar a prisão nesta sexta-feira (15/02), não se manifestaram sobre o assunto. Representantes da Igreja Igreja Batista Água Viva não foram localizados.

 

cidade de deus
Prefeito Atila Jacomussi entregou alvará provisório no fim do ano passado. Foto: Reprodução/Redes Sociais

Os anúncios de imobiliárias sobre a construção do condomínio ainda são encontrados em sites. A reportagem ligou em uma delas e a informação foi de que que já sabem dos questionamentos levantados até o momento. Os responsáveis pelo empreendimento, a RRX Holding, Participações e Investimentos Ltda e a Jordânia Engenharia Ltda, não foram localizados para falar do problema. As duas construtoras têm o mesmo representante, o empresário Rodrigo Haddy Penna Guerreiro.

O caso do Condomínio cidade de Deus já foi parar na Justiça. Um inquérito já foi aberto pelo MP (Ministério Público) de Mauá para investigar eventuais irregularidades.

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações