Futuros moradores temem falhas estruturais em prédio após muro cair pela 2ª vez

Mais visitadas

Construtora responsável pelo condomínio Passeio Anchieta, em São Bernardo, diz que vai contratar perito para investigar causas da queda

queda de muro em prédio
Fotos mostram obras do prédio em maio de 2023 e queda de muro em fevereiro de 2024. Foto: Moradores

Após a queda de um muro do condomínio Passeio Anchieta, em São Bernardo, na última sexta-feira (9/02), os proprietários temem pelo comprometimento estrutural do prédio onde pretendem morar assim que a obra for entregue.

Localizado na Rua Ponte Alta, no bairro Ferrazópolis, o empreendimento está em fase de vistoria (quando os futuros moradores podem entrar em seus apartamentos para verificar detalhes do acabamento e estrutura antes de receberem as chaves da unidade). É neste momento que muitos têm verificado rachaduras nas paredes, problema justificado pela construtora como algo comum relacionado ao gesso e sem nenhuma consequência na segurança do prédio, como relatam os proprietários.

“Muitos moradores disseram que notaram rachaduras e a engenheira afirmou ser algo no revestimento de gesso. Tudo que as pessoas reprovaram na vistoria, ela justificou como ‘normal’. Se for só o gesso, tudo bem, mas quem nos garante que essas rachaduras não são provocadas por movimentos da terra na estrutura do condomínio?”, questiona uma proprietária.

A queda da sexta-feira ligou mais um sinal de alerta entre os futuros moradores porque não foi a primeira vez que o mesmo muro, que tem aproximadamente 4 metros de altura, veio a baixo. Em outra ocasião, a queda aconteceu em direção a parte interna do condomínio. Ao contrário da véspera do Carnaval, quando duas pessoas foram atingidas e ficaram feridas, a queda anterior não fez nenhuma vítima.

Um outro muro do condomínio, voltado à via Anchieta, também foi derrubado após uma fatalidade: um acidente com um motociclista que perdeu o controle na rodovia e acabou “entrando” e derrubando a estrutura que delimita a área do condomínio. O acidente foi tema de reportagem do ABCD Jornal: um jovem de 27 anos morreu após colidir a moto contra um poste e um muro no dia 30 de novembro. De acordo com o Boletim de Ocorrência, os PMs apuraram que o jovem bateu no poste após ser abordado por criminosos. Ele tentou fugir, mas não obteve êxito.

Os moradores informaram que, na época, a construtora não admitiu problemas na estrutura do muro que quebrou com o impacto da moto. Ela optou por recomendar que fossem protocoladas reivindicações junto à Ecovias, concessionária que administra a via Anchieta, para a construção de um guard rail (defensa metálica como forma de proteção para veículos desgovernados).

colisão em muro
Jovem morre ao fugir de ladrões e colidir com poste e muro em São Bernardo,.

Chuvas, umidade e muita terra

Moradores entrevistados pelo ABCD Jornal dizem que a construtora Ecco Inc atribui às chuvas o movimento da terra que acaba provocando as quedas do muro. “Trata-se de um terreno alto com muita terra. Eles dizem que por chover muito e o solo não secar direito, acaba cedendo alguma coisa. Também dizem que por conta da umidade da represa tiveram de fazer um reforço no muro e um mecanismo para drenar e escorrer a água para a rua”, diz a arquiteta urbanista Flavia Manoel, 24 anos, uma das futuras moradoras que acompanhou de perto todas as vistorias e pronunciamentos dos responsáveis durante a obra.

A construtora informou aos proprietários, através de um comunicado via e-mail, que vai contratar um perito para avaliar a situação. “Adicionalmente, acionamos o fornecedor do serviço em questão para avaliar a situação. Um perito terceiro fará a inspeção in loco, quando teremos mais informações sobre a causa da queda.”

A Ecco Inc já se comunicou com os futuros moradores por duas vezes desde o acidente. No primeiro e-mail, enviado às 20h36 da própria sexta-feira, além de informar a contratação do perito e lamentar o ocorrido, disse que uma equipe de segurança extra seria encaminhada ao local.

No outro e-mail, já no dia seguinte (sábado, dia 10/2), a construtora volta a lamentar o acidente, reforça que as vítimas estão fora de perigo e indica os próximos passos. “Garantimos a todos que toda a companhia, neste momento, está 100% concentrada na resolução dos problemas causados de imediato: recuperação da via pública e restauração do serviço de energia. Para tanto, estamos em contato com a Defesa Civil. Prestaremos todo o suporte para os envolvidos, colaborando com os órgãos públicos responsáveis pela situação. No mais, não há como precisar os próximos passos envolvendo o Passeio Anchieta nesse momento. Tão logo tenhamos clareza, compartilharemos com todos assiduamente.”

Procurada pela reportagem do ABCD Jornal, a construtora não retornou aos pedidos de contato.

As vítimas

Na queda da sexta-feira, uma grande quantidade de areia e concreto derrubou postes de eletricidade na região. Um dos postes atingiu um veículo estacionado e uma adolescente de 16 anos foi ferida pelos escombros. Resgata consciente pelos serviços de emergência, foi prontamente atendida com uma fratura no nariz.

Mais uma pessoa que passava pelo local do outro lado da rua também foi encaminhada ao Hospital de Urgência com ferimentos no pé. Ambas passam bem.

Mais publicações

Últimas publicações