Após praticar feminicídio, marido se mata em São Bernardo

Crime aconteceu em março, mas somente agora foram protocolados na Justiça atestado de óbito e fotos do homem que se enforcou

 

Marido mata a mulher e depois tira a própria vida em São Bernardo.

 

Nayara Justino Lima, moradora do bairro de Ferrazópolis, em São Bernardo, foi morta em 10 de março pelo marido, Jucélio Alexandre da Silva, de 45 anos, que também se matou nove dias depois de assassinar a mulher.

Apesar de o crime ter acontecido em março, somente agora a família entregou aos advogados o atestado de óbito, bem como as fotos do homem que tirou a própria vida. Ele amarrou uma corda em uma árvore e se matou.

“Infelizmente nosso cliente, o Sr. Jucélio se suicidou mediante enforcamento no dia 19 de maço de 2019, a certidão de óbito que oficializou o falecimento foi acostada nos autos há alguns dias, dessa forma foi extinta a sua punibilidade nos termos do artigo 107, I do Código Penal, na Ação Penal que respondia pelo crime. A defesa tinha convicção que ele seria absolvido. Só nos resta lamentar seu falecimento, como também o falecimento da vítima, ambos irão fazer falta à família e amigos, além do que deixaram uma filha de 2 anos que não tem culpa de nada, que irá crescer sem os pais, isso é muito triste”, disse o advogado Rafael Felipe Dias

A defesa de Jucélio ia argumentar que ele matou a mulher em legítima defesa. “Meu cliente gostaria muito de provar que agiu em legítima defesa e sob o domínio de violenta emoção, porém não suportou a pressão dos fatos e ceifou a própria vida. Os advogados do nosso escritório: Rafael Felipe Dias, Adilson Paulo Dias e Francisco Isaias da Costa, desejam que Deus conforte a família de ambos”, afirmou.

 

Rafael Felipe Dias, advogado do assassino, diz que protocolou atestado de óbito na Justiça. Foto: Divulgação

Feminicídio

No ABCD, foram registrados neste ano nove femincídio. Em 2 de fevereiro, a veterinária Paula Patrícia de Mello, de São Caetano, foi morta com 21 perfurações de faca. O namorado e autor do crime tentou o suicídio em 7 de fevereiro ao tentar se jogar do 4º andar o Complexo Hospitalar Márcia Braido, onde estava internado porque depois que matou a companheira escorregou no sangue e atingiu a própria barriga.

O assassino confesso estava algemado na cama do quarto do hospital, mas conseguiu se jogar junto com a própria grade onde estava preso. Givanilson acabou caindo no segundo andar do prédio e fraturou a perna e teve ferimentos na cabeça. Atulamente encontra-se preso.

Um dia depois a médica cubana Laidys Sosa Ulloa Gonçalves, de 37 anos, foi morta em Mauá com golpes de chave de fenda. O assassino é o próprio marido, o brasileiro Dailton Gonçalves Ferreira, de 45 anos, que enterrou o corpo em uma mata perto da Estrada dos Fernandes, em Ribeirão Pires. O homicídio aconteceu após uma discussão do casal na rua Francisco Inhesta Spinosa, no Jardim Olinda, onde os dois moravam.

Em 3 de março, Nayara Justino Lima, moradora do bairro de Ferrazópolis, em São Bernardo, foi morta pelo marido, Jucelio Alexandre da Silva, de 45 anos. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Estado, o homem fugiu, mas antes deixou a filha de 4 anos com o irmão dele.

Colocou o corpo na geladeira

Em Santo André, dois casos de feminicídio ocorreram em 18 e 19 de março, sendo que em um deles Lucas Alves da Silva, de 24 anos, matou a namorada Engel Sofia Pironato, de 21 anos, e a colocou dentro da geladeira. Ao tentar fugir num carro de aplicativo foi preso.

No outro caso, também em Santo André, Elieide Rodrigues de Oliveira, de 38 anos, foi atropelada e baleada pelo marido na Rua Armando Mazzo, no Jardim Rina.

Em 18 de abril, São Bernardo registrou mais um feminicídio, na rua Nelson, no bairro Alves Dias. Um homem discutiu com a mulher na madrugada e a matou com arma branca no pescoço. De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança, o irmão do assassino foi quem encontrou Elisângela da Silva, de 33 anos, às 7h. O homem, de 31 anos, fugiu depois que cometeu o crime contra a companheira.

O oitavo feminicídio foi da pastora evangélica Ieda Alvin Lino, de 42 anos, foi morta na madrugada desta sexta-feira (17/05) com golpes de faca pelo marido José Edson Lino Filho.

 O nono feminicídio foi praticado pelo PM (Policial Militar) Thiago Rodrigo de Souza, de 36 anos, que atuava na Corregedoria da Polícia, e matou sua mulher, Marcela dos Santos Melo, de 31 anos, em 17 de junho. Depois de matar a esposa, o solado tirou a própria vida. O crime de feminicídio aconteceu na rua Campos Negreiros, 121, no Conjunto Maracanã, em Santo André.

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*