Vacina contra Covid para a população do Estado de SP chega até fevereiro

Governador Doria diz que terá 46 milhões de doses da Coronavac até dezembro e, até 28 de fevereiro, se completarão 60 milhões; número de habitantes em São Paulo é de 44 milhões

 

Governador Doria diz que terá 46 milhões de doses da Coronavac até dezembro e, até 28 de fevereiro, se completarão 60 milhões; número de habitantes em São Paulo é de 44 milhões. Foto: Divulgação

 

O Governador João Doria anunciou nesta quarta-feira (23/09) os resultados de uma pesquisa com 50.027 voluntários na China que demonstram que a vacina Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac Life Science, é segura e não apresentou reações adversas significativas. Do total de voluntários, 94,7% não tiveram nenhuma reação adversa. Outros 5,3% sentiram efeitos adversos de grau baixo, como dor no local da aplicação, febre moderada e perda de apetite.

Até dezembro, o Instituto Butantan receberá 46 milhões de doses da Coronavac, sendo 6 milhões de doses da vacina já prontas para aplicação. Outras 15 milhões de doses devem chegar até fevereiro.  O Estado de SP conta com 44 milhões de habitante.

“Até 31 de dezembro teremos mais 46 milhões de doses da Coronavac (produzidos no Butantan) e, até 28 de fevereiro, se completarão 60 milhões de doses da vacina que será o suficiente para a imunização de todos brasileiros de São Paulo”, afirmou Doria.

A vacina desenvolvida pela Sinovac Life Science utiliza tecnologia já conhecida e amplamente aplicada em outras vacinas pelo Instituto Butantan.

“Esses resultados comprovam que a Coronavac tem um excelente perfil de segurança. Comprovam também a manifestação feita pela Organização Mundial de Saúde há duas semanas, indicando a Coronavac como uma das oito mais promissoras vacinas em desenvolvimento, no seu estágio final, em todo o mundo”, disse Doria.

Começaram na China os testes em crianças e idosos. Entre as pessoas com mais de 60 anos, a vacina foi aplicada em 422 voluntários e os resultados apontaram 97% de eficácia. Os estudos em crianças têm 552 voluntários de 3 a 17 anos.

“A segurança e eficácia são dois dos principais fatores para comprovar se uma vacina está pronta para uso emergencial na população. Estamos muito otimistas com os resultados que a Coronavac apresentou até o momento. Isso mostra que o Butantan e a Sinovac estão no caminho certo para a produção de um imunizante contra o coronavírus”, esclareceu o Diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

Os estudos clínicos que estão sendo realizados no Brasil desde julho já aplicaram a vacina em quase 5,6 mil voluntários, sem nenhum registro de reação adversa grave. Eles são acompanhados pelos 12 Centros de Pesquisa distribuídos por 5 estados brasileiros, mais o Distrito Federal.