16 de maio de 2021

Médica e candidata a vereadora em S.Caetano atendia vítimas de Saul Kein, diz site

Mais visitadas

Portal Uol publicou reportagem em que diz que Dra Silvia Petrelli  foi apontada por várias mulheres ao MP como a responsável pelo tratamento domiciliar de supostas vítimas do empresário; médica nega

 

Médica Silvia Petrelli ao lado de Saul Klein durante a pré-campanha a vereadora em São Caetano em 2020. Foto: Reprodução/Facebook Dra. Silva Petrelli

As denúncias de estupro e aliciamento supostamente praticados por Saul Klein, filho do fundador das Casas Bahia e candidato a vice-prefeito em São Caetano na chapa de Fabio Palacio (PSD) nas últimas eleições, ganhou mais um capítulo na série de reportagens veiculadas desde o fim de 2020 pelo Portal Uol, do grupo Folha. Segundo o site, dra. Sílvia Petrelli, que foi candidata a vereadora pelo PSD em 2020 (obteve 302 votos),  foi  apontada por várias mulheres ao Ministério Público como a responsável pelo tratamento domiciliar de diversas infecções sexualmente transmissíveis que as vítimas teriam contraído por serem obrigadas a fazer sexo sem preservativo.

De acordo com o site, em matéria veiculada nesta sexta-feira (30/04) com a  manchete “Tragédia: recrutada na escola, uma das preferidas de Klein  morreu aos 22 anos”, a médica teria atendido uma jovem “que tinha expelido um corpo estranho de dentro da vagina”. Segundo o UOL, a jovem estava há três dias dentro do quarto sem sair, e teria convencido o empresário da gravidade da situação. Ao invés de ser levada ao hospital, teria sido encaminhada para a casa de Klein e colocada em um quarto privativo. Foi aí que a médica de São Caetano teria ido até lá.

A reportagem do ABCD Jornal procurou a médica em seu consultório para ela se posicionar e a secretária informou que passaria o recado, mas até o fechamento dessa reportagem não havia dado retorno.

Ao Uol, a médica disse que jamais praticou ou presenciou qualquer ato ilícito. “Demonstrei isso à delegada de Barueri [responsável pelo inquérito policial] e nada mais tenho a comentar a respeito”, disse Silvia Petrelli ao Portal.

Segundo o site, na carta enviada a Klein, em 2017, Sabrina (nome fictício da jovem que se suicidou) dizia que o episódio havia sido traumático e que tinha certeza de que havia sofrido um aborto espontâneo. Ela deixaria de participar do suposto esquema poucos meses depois. Em setembro do ano passado, a garota se matou.

Campanha

A medica relatou sua proximidade com Saul Klein em postagem feita em 6 de agosto do ano passado. Ela publicou uma foto ao lado do candidato a vice-prefeito e colocou a seguinte mensagem:

“Fico muito feliz em saber que Saul klein, me apoia como pré-candidata a vereadora, pela nossa querida cidade de São Caetano do Sul. Fico muito honrada , porque tudo começou com S.r Samuel Klein, um imigrante polonês que iniciou como mascate vendendo produtos de porta em porta e, em 1952, foi fundada “Casas Bahia “, a Matriz em São Caetano do Sul, fixando residência no Bairro Fundação. Temos muitas coisas em comum, a simplicidade, humildade, o Amor ao próximo, e a vontade de querer lutar por uma cidade melhor, sabe o que é iniciar a vida começando por baixo, e também fui médica da família no Bairro Fundação. Obrigada Saul Klein pela confiança”, postou a médica que sempre foi muito respeitada na cidade.

Reportagem

Nesta sexta-feira, o site veiculou uma matéria de capa na qual apresenta o depoimento de nove mulheres sobre um esquema de exploração sexual e ainda revelou detalhes sobre o aliciamento e o suicídio dessa jovem.

A advogada do caso disse ao portal que  todas as jovens pareciam ter em comum a vulnerabilidade. “Estavam sozinhas e em busca de dinheiro e algumas tinham histórico de violência doméstica na família. Uma me contou que já havia sido vítima de estupro. A relação estabelecida com Klein era abusiva a tal ponto que uma delas disse que ele tinha por ela um ‘amor de pai’, sendo que o pai dela a agredia quando era mais nova”, disse.

Esquema

As mulheres relataram à Universa do Uol que eram procuradas por agências nas redes sociais. As agenciadoras contratadas pelo empresário procuravam sempre o mesmo perfil: meninas novas, magras e sem peito. Eram oferecidos trabalhos como modelos, para fazer presença em festas ou serem acompanhantes de um empresário. Os cachês iam de R$ 2 mil a R$ 4 mil.

Os documentos conseguidos pelo Portal mostram que Klein se comprometeu a pagar R$ 800 mil pelo silêncio de três vítimas – dois contratos foram confirmados pelo empresário, enquanto o terceiro ele alegou que teria sido falsificado e conseguiu vitória na primeira instância.

De acordo com o relato das mulheres, elas eram levadas para uma “entrevista” com Saul Klein e nesses encontros (na casa em Alphaville ou em um sítio em Boituva ou em um flat na Capital paulista). As meninas disseram ainda que eram obrigadas a ficar nuas e eram apalpadas pelo empresário. Quando estavam lá, diziam que, caso não tivessem relações sexuais com o Klein, não receberiam o pagamento. As vítimas denunciam que ele se recusava a usar preservativo.

Conforme o portal, se fossem “escolhidas” para o trabalho, ficavam hospedadas na mansão de Saul Klein. Outra acusação é de que as agenciadoras davam documentos falsos para as vítimas – algumas eram menores de idade – e as orientavam a contar novas histórias, inclusive algumas tinham que se passar por “menininhas virgens”. Segundo relato, os celulares delas eram apreendidos e elas deveriam ficar disponíveis para Klein 24 horas por dia. Seguranças armados vigiavam as mulheres e controlavam o peso delas.

Durante a campanha eleitoral do ano passado, a denúncia de exploração sexual de vulnerável veio à tona, quando o próprio Saul apresentou à Justiça Eleitoral uma certidão que apresentada que ele tinha sido alvo de investigação em inquérito policial.

Defesa

Ao Uol, a defesa de Saul Klein negou todas as acusações e afirmou que o empresário é vítima de um esquema de uma dona da agência. Os advogados declararam que Klein agia como um “sugar daddy”, mas que não havia qualquer tipo de violência e que as relações sexuais, quando ocorriam, eram consensuais.

A dona das Casas Bahia, a Via Varejo, afirmou que Klein não tem mais qualquer ligação com a empresa. Atualmente, o empresário está envolvido no ramo do futebol e é dono da equipe Ferroviária.

 

 

 

 

 

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações