1 de julho de 2022

Falta de médicos no Quarteirão da Saúde de Diadema irrita pacientes

Mais visitadas

Início do plantão deste domingo contava com apenas um médico na Pediatria onde surgiram as reclamações; Prefeitura diz que dois profissionais faltaram

quarteirão da saúde
Falta de médicos no Quarteirão da Saúde de Diadema irrita pacientes. Foto: Divulgação/PDA

Os moradores que procuraram por atendimento no setor de Pediatria do Quarteirão de Saúde de Diadema, neste domingo (19/06), encontraram no início do plantão apenas um médio. O fato gerou demora e irritação dos pais.

Um morador do bairro Serraria, 45 anos, levou a filha,  5 anos, e teve de esperar durante 3 horas para ser atendido. “O hospital alegava que não tinha médico no plantão, pois era domingo.  Estávamos em uns 20 pais, somente depois que briguei e fiz barraco que apareceu outro médico pra ajudar a atender”, afirmou.

A Prefeitura informou que a escala de plantão do Pronto Socorro Central iniciou com um médico em cada porta (um na clínica médica, outro na pediatria) e um médico na emergência.

“O quadro estava incompleto devido a um médico ter apresentado atestado e outro médico ter faltado sem justificativa até o momento. Diante do cenário e visando reduzir o impacto no atendimento, foram tomadas todas as medidas cabíveis para captação de novos profissionais para recompor o quadro médico o mais rápido possível e, no momento (por volta das 15h), o quadro está completo”, informou a Prefeitura.

Questionamento

O vereador de oposição Eduardo Minas (Pros) avalia que que a falta de médicos piorou na cidade com a mudança no contrato SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), que envolve a terceirização do serviço.

Minas disse que a renovação feita em maio “piorou” o serviço. “A saúde de Diadema está entregue nas mãos da SPDM, que assumiu inicialmente as unidades básicas de saúde e depois fomos surpreendidos com o Pronto socorro do Quarteirão, o Ambulatório do Quarteirãom, e, agora, SAMU”, afirmou.

“O contrato foi feito sem licitação. Já fizemos a denúncia no Ministério Público e um inquérito foi instaurado”, afirmou o parlamentar.    “Depois da terceirização veio a quarteirização, pois houve a  contratação de uma empresa chamada Medtrust, que contrata médicos na qualidade de PJ. Resumindo: o vínculo com o serviço é precário. Não estão conseguindo contratar porque  falta estrutura, o  ambiente é inadequado e a contratação a título precário não estabelece relação saudável  entre profissionais e municipalidade”, completou.

De acordo com o vereador, a atual administração assinou, sem prévia licitação, contrato de gestão dos serviços da rede básica de saúde na cidade, ao valor de R$ 79,4 milhões, pelo prazo de quatro anos. O acerto de forma direta, celebrado pela Secretaria Municipal de Saúde, chefiada por Rejane Calixto, se deu com a SPDM, com reestruturação do escopo da OS (Organização Social) na atuação à frente de equipamentos de UBSs – são 20 unidades ao todo –, e início da vigência desde agosto do ano passado.  O contrato de gestão tem o número 1/21. “ O novo vínculo abre alternativa a subcontratações de serviços, como de limpeza”, afirmou Eduardo Minas.

Por meio de nota, a Prefeitura afirmou que o contrato existe na cidade desde 2022 e o que houve foi uma mudança no modelo de contratação. “É importante frisar que a SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina) já atua no município desde 2002, portanto, não há terceirização. Desde maio, houve mudança apenas o modelo de contratação, já que a partir de agora a SPDM cuida também do gerenciamento da unidade com responsabilidade sobre atingimento de metas e indicadores”, finalizou a administração.

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações