Egressos inspiram internos da Fundação Casa de Diadema

Agora reintegrados socialmente, dois jovens levam suas histórias para outros adolescentes que cumprem medidas socioeducativas

Agora reintegrados socialmente, dois jovens levam suas histórias para outros adolescentes. Foto: Governo do Estado
Dois jovens que cumpriram medida socioeducativa de internação na Fundação Casa visitaram e serviram de inspiração para outros adolescentes internados na Fundação Casa de Diadema, na Região Metropolitana de São Paulo, na última sexta-feira (25).Por meio do Instituto Noc Educação, dentro do seu Projeto Universidade Cidadã, *Mikael Rodrigues Salustiano, estudante, e *Djonatas Campos Gomes da Silva, rapper, contaram suas histórias e as conquistas que já tiveram em suas breves vidas. Talvez a maior delas a liberdade de ir e vir, de estar novamente em convivência em sociedade sem qualquer débito com a Justiça e o passado infracional.“Lá estudei muito, fiz cursos do Senac e li muitos livros. A maior prisão está na mente e ela se abriu quando comecei a ler livros”, afirmou Salustiano, de 18 anos, egresso da unidade São Bernardo II, de São Bernardo do Campo, há um ano e três meses. “Vi que tinha muita habilidade com a matemática e hoje pretendo me tornar trader”, explicou ele, que atualmente estuda no Instituto Noc Educação e se prepara para ingressar na universidade.Já Silva, de 21 anos, é o “MC pela Educação”. Ele cumpriu medida socioeducativa de internação na Casa Nogueira, no Complexo Raposo Tavares, em São Paulo, de onde foi desinternado há cerca de dois anos e meio. “Durante a internação eu ficava ouvindo as palestras, buscando uma direção. Não adianta se revoltar porque está aqui dentro agora, pois é o resultado do que fizemos lá fora”, pontuou o MC na sua mensagem.

Sua vivência com atos infracionais começou aos 14 anos, em decorrência do uso de drogas. Hoje ele utiliza o microfone e as letras de suas canções como armas a favor da educação. Djonatas também cantou para os adolescentes da unidade de Diadema músicas de autoria própria e conhecidas no mercado.

O “MC pela Educação” encontrou apoio e refúgio com Luis Mendes, do Instituto Noc Educação, que abriu as portas da própria casa para ajudar o jovem, após conhecê-lo durante uma de suas palestras. Mendes viu talento na voz e nas letras de Silva.

“A ideia foi inspirar e motivar os jovens do Casa Diadema, a partir de histórias reais, que eles pudessem desenvolver perspectivas de futuro e soubessem buscar as oportunidades quando saírem da Fundação. Além disso, procuramos despertar o senso crítico e potencializar as habilidades que cada um tem”, explicou Mendes.

Experiência própria

O fundador do Instituto Noc Educação também contou sua história de superação. Mendes cresceu na periferia da Zona Leste da cidade de São Paulo. Com muita batalha, graduou-se engenheiro em uma universidade pública e conquistou uma vaga numa multinacional, o que era um sonho de infância.

Na sua então breve carreira na Engenharia, ao ter a possibilidade de ir trabalhar na Itália pela mesma empresa, lembrou-se de onde vira e todos os amigos que perdera para a violência e a criminalidade. Resolveu deixar tudo para retornar às origens e auxiliar outras pessoas das mesmas “quebradas”.

“Não queria mais enterrar nenhum amigo, que nenhuma mãe enterrasse seu filho, nem que nenhum jovem fosse enterrado”, afirmou Mendes. Foi o passo para criar o Instituto, que tem o Projeto Universidade Cidadã, que desenvolve propostas de acesso universitário e de cidadania em comunidades da região de Santo André.

O coordenador e professor de matemática no Instituto, Victor Polillo, também conversou com os adolescentes do centro socioeducativo. Filho de uma professora, ouviu, aos 15 anos de idade, que não poderia sonhar em ser engenheiro porque sua vizinha afirmou que nunca vira um engenheiro negro na vida. Sua mãe, revoltada com o preconceito, foi taxativa: “Não deixe ninguém falar o que deve ou não deve fazer!”.

Polillo ingressou na faculdade de Engenharia em uma universidade pública, mas não gostou do curso. Encontrou-se na docência e tornou-se professor de matemática. “Vimos aqui hoje mostrar que sempre há outras opções”, resumiu.