Despachante infarta e morre após esposa e filho morrerem de covid-19

Homem tinha perdido os dois familiares para o novo coronavírus fazia 90 dias e entrou em depressão

 

Despachante (esquerda) tinha perdido esposa e filho para o novo coronavírus fazia 90 dias e entrou em depressão. Foto: Arquivo Pessoal

 

Três meses depois de perder a esposa e o filho para o novo coronavírus, o despachante Silvio Dias Novaes, de 60 anos, teve um infarto em casa e morreu na Praia Grande, litoral São Paulo, nesta sexta-feira (17/07) .

A outra filha do despachante, a técnica de enfermagem Maria Carolina da Silva Novaes, de 39 anos, também teve a Covid-19, mas foi curada.

Ela, a mãe Alzira da Silva Novaes, de 59 anos, e o irmão, Luiz Fagner Dias Novaes, de 31 anos, contraíram o vírus após se revezarem para acompanhar o despachante Silvio em um hospital de Cubatão, após ele sofrer um AVC (Acidente Vascular Cerebral).

O filho morreu em meados de abril e a mãe 15 dias depois (27/04).

De acordo com familiares, o despachante, além de perder os movimentos por conta do AVC, entrou em depressão após a morte da mulher e do filho e passou até a tomar medicamentos.