14 de junho de 2021

Com fim de convênio, ABCD perderá 81 médicos cubanos

Mais visitadas

Mauá é a mais prejudicada com o fim da parceria entre Brasil e Cuba no Programa Mais Médicos, pois dos 42 profissionais da cidade, 33 são cubanos

 

mais médicos
Médicos cubanos vão deixar o País com o fim da parceira no programa Maia Médicos. Foto: Reprodução/Ismael Francisco/ Cuba debate

 

Com o fim do convênio entre Brasil e Cuba no programa Mais Médicos, a região do ABCD perderá 81 profissionais de um total de 151 que atuam nas equipes da Saúde da Família. O fim da parceria foi anunciado nesta quarta-feira (14/11) pelo Ministério da Saúde. O programa Mais Médicos tem 18.240 vagas em 4.058 cidades do País e cobre 73% dos municípios do País.

A mais prejudicada da região do ABCD é Mauá, pois dos 42 médicos que atuam na rede por meio do programa, 33 são cubanos. “Com a decisão do governo de Cuba, a administração municipal demonstra preocupação, visto que existe dificuldade de contratação de profissionais médicos para a atenção básica”, afirmou o governo do prefeito Atila Jacomussi (PSB) por meio de nota oficial.

O rompimento do programa entre o Brasil e a Opas (Organização Pan-americana de Saúde) ocorreu depois de uma declaração do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) de que faria alterações no projeto. Por meio de um comunicado, Cuba argumentou que a saída da parceria foi motivada por declarações “ameaçadores e depreciativas”. “Não aceitamos que se ponham em dúvida a dignidade, o profissionalismo, e o altruísmo dos colaboradores cubanos que, com o apoio de seus familiares, prestam serviço atualmente em 67 países”, informou o Ministério da Saúde Pública de Cuba.

De acordo com o Ministério da Saúde brasileiro, o País adotará medidas para garantir a assistência das pessoas atendidas pelas equipes da Saúde da Família que contam com profissionais de Cuba. Entre as iniciativas está a publicação de edital para a convocação de médicos que queiram ocupar as vagas ocupadas por cubanos. “Será respeitada a convocação prioritária dos candidatos brasileiros formados no Brasil seguida de brasileiros formados no Exterior”, informou nota do governo federal.

Após rompimento de Cuba, o presidente eleito Bolsonaro se posicionou por meio do Twitter. “Condicionamos à continuidade do programa a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinadas à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou”, finalizou.

 

Mais publicações

1 COMENTÁRIO

  1. Excelente artigo, acompanho o seu trabalho a algum tempo e tenho amado os artigos que você publica! Hoje em dia o mercado precisa de profissionais como você. Não deixe de ver os meus artigos também, veja aqui!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações