Auricchio e Beto Vidoski depõem no Fórum sobre denúncia de doação ilegal

Prefeito e vice-prefeito de São Caetano são acusados de receber recursos de pessoas que não tinham condições financeiras para doar

 

Prefeito e vice de São Caetano prestam depoimento no Fórum de São Caetano. Foto: Divulgação

 

O prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), e seu vice, Beto Vidoski (PSDB), prestaram depoimento no Fórum da cidade nesta quinta-feira (13/12) no caso que envolve recebimento de doações de recursos na campanha eleitoral de 2016. O Ministério Público acusa os tucanos de caixa 2.

Auricchio e Beto foram foram ouvidos pelo juiz Pedro Correa Liao, que abrirá prazo de 10 dias para as alegações finais. Depois desse período, o juiz dará a sentença no caso. Em São Paulo, caso semelhante resultou na cassação de um parlamentar.

Por conta das férias do Judiciário que começa em 20 de dezembro, a sentença deve acontecer somente depois de 20 de janeiro, quando acabará recesso.

Auricchio foi indagado sobre sobre a doação feita por Maria Alzira Garcia Correia Abrantes (morta em 2018), que na época da eleição municipal doou R$ 350 mil, mesmo internada na UTI devido a um AVC.

Outros problemas apontados pelo MP envolvem as doações feitas por Ana Maria Comparini Silva, que doou R$ 293 mil para a campanha de Auricchio. Essa mesma pessoa doou R$ 6 mil para um vereador de São Paulo, que teve o mandato cassado recentemente pelo TRE (Tribunal Regional Eleitoral).

Auricchio e Beto deixaram o Fórum sem conceder entrevistas. Ambos têm negado a irregularidade sob a alegação de que as contas de campanha foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

Tanto o juiz eleitoral quanto o MP não se pronunciaram sobre os depoimentos do prefeito e o vice.