17 de maio de 2021

Ao analisar mérito, TRE suspende condenação eleitoral de Auricchio 

Mais visitadas

Com a decisão, o prefeito de São Caetano pode recorrer ainda em primeira instância contra o indeferimento de sua candidatura

 

Ao analisar mérito, TRE suspende condenação eleitoral de Auricchio . Foto: Divulgação

 

Ao analisar o mérito do processo sobre o pedido de cassação do diploma do prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior, o presidente do TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo), desembargador Waldir Nuevo Campos, concedeu nesta quinta-feira (29/10) efeito suspensivo à decisão contra o tucano.

O pedido havia sido feito pelos advogados do chefe do Executivo que busca a quarta reeleição. A decisão significa que estão suspensos os efeitos da condenação por conta de supostas doações ilegais recebidas na campanha eleitoral de 2016. O presidente da Corte também acatou recurso especial que leva a questão a ser discutida no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O acórdão foi publicado no Diário Oficial e a defesa do prefeito tentará reverter o indeferimento da candidatura ainda em primeira instância por meio de embargos contra a decisão da juíza Ana Lúcia Fusaro, da 166ª Zona Eleitoral de São Caetano, que indeferiu o registro da candidatura para as eleições de 15 de novembro.

A defesa do prefeito de São Caetano alegou à Corte que a doação feita por uma doadora não podia implicar em condenação de Auricchio porque ele não poderia exigir da pessoa que dou os recursos uma comprovação de que tinha condições financeiras. A denúncia feita pelo Ministério Público é que a doadora de Maria Alzira Garcia Correa Abrantes não tinha como arcar a doação de R$ 350 mil para a campanha tucana.

“Afigura-se, no meu entender, contrário à razoabilidade que se demande, em sede de ação eleitoral desconstitutiva do diploma, que o candidato seja determinado judicialmente a comprovar a renda do doador, principalmente nas hipóteses em que é questionada a ausência da capacidade econômica daquele que realiza a liberalidade. Tal carga probatória pode, inclusive, ser considerada diabólica, tendo em vista a impossibilidade (quase) absoluta de o candidato ter acesso aos dados fiscais e bancários dos doadores eleitorais, bem como de perceber primo ictu oculi que se tratava de recursos não decorrentes da atividade econômica de quem efetuou a doação”, despachou o presidente do TRE.

O vice-prefeito Beto Vidoski, que busca neste ano uma cadeira no Legislativo, também foi beneficiado pela sentença.

 

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações