Vídeo: Moradores de Diadema ainda convivem com pancadões na pandemia

Famílias reclamam do barulho alto e da aglomeração provocada por jovens sem máscaras

 

 

Os moradores de Diadema continuam enfrentando pancadões no fim de semana. As famílias alegam que os bailes funks acabam com o sossego por conta do som alto e das aglomerações provocadas por jovens que sequer usam máscara em plena pandemia do novo coronavírus.

A reportagem do ABCD Jornal recebeu dois vídeos de festas ilegais ocorridas neste domingo (14/02), no Gazuza. Os moradores afirmam que os bailes funks são frequentes e alguns cobram até o retorno do Caminhão Tempestade que era usado para combater aos bailes com jatos d´água. O veículo não tem mais essa função desde que o novo governo assumiu em ‘º de janeiro. O veículo será usado somente em incêndios.

“No âmbito da operação Paz e Proteção, a Guarda Civil Municipal, em conjunto com a Polícia Militar do Estado de São Paulo, coíbe preventivamente em diversos bairros a realização de festas irregulares (“pancadões”). Ao evitar que as festas tenham início, asseguram a tranquilidade aos moradores de forma pacífica, impedindo a ocorrência de tumultos”, afirmou a Prefeitura por meio de nota.

Ainda de acordo com a administração, neste fim de semana, a operação se deu no Morro do Samba. No sábado (13/02), a GCM e a PM vistoriaram 9 carros e 11 motos e abordaram 42 pessoas, sendo uma delas encaminhada à Delegacia de Polícia. Foram 37 Autos de Infração de Trânsito (AIT), e os proprietários de 14 estabelecimentos comerciais foram orientados. No dia seguinte, 14/02, a Guarda e a Polícia Militar vistoriaram 12 carros, e foram recolhidos 3. Foram emitidos 60 AIT e 4 donos de comércios foram orientados.

Segundo a Prefeitura, além da ação no Morro do Samba, a operação Paz e Proteção impediu, nas últimas semanas, a realização de pancadões no Gazuza, Rua Itália e 18 de Agosto. “Nas próximas semanas, novas ações vão acontecer de maneira estratégica com o objetivo de garantir a tranquilidade da população”, afirmou.

“É assim que vamos agir: de forma preventiva e usando a inteligência para impedir essas festas irregulares que tanto tiram o sossego da população quanto oferecem risco de contaminação da Covid-19 por causa da aglomeração”, concluiu Benedito Mariano, secretário de Defesa Social de Diadema.

 

Famílias reclamam do barulho alto e da aglomeração provocada por jovens sem máscaras. Foto: Reprodução