Valor de produto da merenda de Mauá é questionado por vereador

Prefeitura rebate e diz que preço é muito próximo do praticado por frigoríficos de renome, sem contar a entrega ponto a ponto e o sistema IKF de refrigeração

 

 

merenda
Vereador Marcelo Oliveira questiona valor de produto da merenda escolar. Foto: Divulgação

O vereador oposicionista de Mauá Marcelo Oliveira (PT) apresentou requerimentos questionando o governo do prefeito Atila Jacomussi (PSB) sobre a falta de produtos de higiene e limpeza nas escolas municipais e também sobre superfaturamento dos produtos constantes no cardápio da merenda escolar.

Solicito informações ao prefeito sobre a compra de acém em cubos para merenda. O produto foi adquirido ao preço de R$ 24 o quilo, praticamente o dobro do valor praticado no mercado”, disse Marcelo.

O petista relembra que a empresa contratada é a mesma que o atual prefeito dizia que era praticado preços acima do mercado para aquisição de almôndegas. “Lembro-me perfeitamente do verdadeiro carnaval que fizeram à época, com manifestações partidarizadas e direcionadas para a campanha eleitoral do atual prefeito Atila”, disse.

Causa-nos estranheza os valores pagos pela prefeitura em produtos como o acém em cubo, muçarela, requeijão e outros, sempre com valores majorados em relação ao mercado”, completou o vereador.

Outro lado

A Prefeitura de Mauá informa que a aquisição de acém bovino pela Secretaria de Segurança Alimentar foi realizada por pregão presencial, tendo vencido a melhor proposta. O custo do quilo de acém bovino estabelecido é de R$ 24,90, que incluem entrega ponto a ponto, logística de distribuição nas escolas municipais, e o sistema de refrigeração IKF, que garante uma carne fresca que pode ser preparada diretamente, sem necessidade de descongelamento.” O valor é muito próximo do praticado por frigoríficos de renome, sem contar a entrega ponto a ponto e o sistema IKF de refrigeração”, informou a nota do governo Atila. “A Prefeitura de Mauá reforça que todo processo de compra é feito de forma transparente com base nos princípios da economicidade, sempre buscando respeito e bom uso ao dinheiro público”, concliu.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*