5 de dezembro de 2021

Promotoria abre inquérito para investigar contratações sem concurso em Mauá

Mais visitadas

Ministério Público afirma ainda que investiga denúncia de suposto enriquecimento ilícito por parte da empresa que fez a seleção dos candidatos

José Luiz Cassimiro comanda a Secretaria de Educação da Prefeitura de Mauá. Foto: Reprodução/Facebook

O Ministério Público de Mauá abriu inquérito civil contra o governo do prefeito Marcelo Oliveira (PT) por ter feito contratações sem concurso público no mês de abril. A seleção pública para funções temporárias foi encabeçada pela Secretaria de Educação, comandada pelo ex-vereador José Luiz Cassimiro. A contratação foi para professores, auxiliares de desenvolvimento infantil e merendeiras.

De acordo com o Ministério Público, a Prefeitura fez a contratação direta de funcionários e justificou que estava impedida de realizar concursos devido a uma lei federal sancionada na pandemia do novo coronavírus. A cidade tinha em andamento um concurso que foi congelado no ano passado.

O caso foi parar no Ministério Público porque foram protocoladas representações por conta desse congelamento no qual as pessoas tinham pago pelas inscrições. A reclamação é porque quem queria participar da seleção pública de cargos temporários tinha de arcar novamente com outros  custos.

Outra denúncia investigada pela Promotoria é de suposto enriquecimento ilícito por parte da empresa que fez a seleção. A representação sobre essa acusação foi feita pelo presidente do conselho municipal de Educação, João Wagner.

No inquérito civil, o promotor afirma que o denunciante afirmou que a empresa Instituto Indec, contratada pela Prefeitura para realizar a seleção e aplicar as provas, teria levado vantagens financeiras porque a administração municipal teria arcado com os serviços de higiene, limpeza, protocolos sanitários e segurança, enquanto que responsável pela seleção ficou com todo o dinheiro da taxa de quase 10 mil candidatos. Havia três valores de taxas de inscrição: R$ 37, R$ 47 e R$ 65, ou seja, o valor arrecadado pode ter chegado em torno de R$ 400 mil.

 Outro lado

O governo do prefeito Marcelo Oliveira emitiu uma nota em que afirma que a instauração de inquérito civil “é procedimento natural e corriqueiro” no Ministério Público  e que  Prefeitura de Mauá “está impedida de prosseguir com o concurso” público devido à restrição da Lei Complementar de número 173. O governo alega que o prazo termina em  31 de dezembro deste ano.

“Tendo em vista a necessidade urgente para a contratação de pessoal com vistas ao atendimento de volta às aulas dentro dos protocolos de saúde, a única saída sob a ótica legal é a contratação temporária estipulada na Constituição”, afirmou a nota.

“Após o decurso do prazo da LC 173, o concurso será retomado”, completou a Prefeitura ao acrescentar que pouco mais de 9.900 pessoas se inscreveram para participar do processo seletivo.

O que diz a Lei complementar 173?

Art. 8º Na hipótese de que trata o art. 65 da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios afetados pela calamidade pública decorrente da pandemia da Covid-19 ficam proibidos, até 31 de dezembro de 2021, de:

I – conceder, a qualquer título, vantagem, aumento, reajuste ou adequação de remuneração a membros de Poder ou de órgão, servidores e empregados públicos e militares, exceto quando derivado de sentença judicial transitada em julgado ou de determinação legal anterior à calamidade pública;

II – criar cargo, emprego ou função que implique aumento de despesa;

III – alterar estrutura de carreira que implique aumento de despesa;

IV – admitir ou contratar pessoal, a qualquer título, ressalvadas as reposições de cargos de chefia, de direção e de assessoramento que não acarretem aumento de despesa, as reposições decorrentes de vacâncias de cargos efetivos ou vitalícios, as contratações temporárias de que trata o inciso IX do caput do art. 37 da Constituição Federal, as contratações de temporários para prestação de serviço militar e as contratações de alunos de órgãos de formação de militares.

 

 

 

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações