28 de setembro de 2021

Prefeito de São Caetano diz ser lamentável postura de Parra

Mais visitadas

Vereador da base de sustentação do governo entrou com recurso contra  o vice-prefeito e usou como argumento cassação de diploma da chapa   

 

Auricchio diz que Parra não pensou no grupo ao questionar decisão do TRE. Foto: Divulgação

 

O prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), disse ser “lamentável” o fato de o vereador Edison Parra (Podemos) impetrar um recurso especial no TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral), para impedir que o vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB) assuma a vaga  vereador sob a argumentação de que ele teve o diploma cassado juntamente com Auricchio. Na semana passada, a Corte reconheceu recurso de Vidoski contra o indeferimento de sua candidatura feito em primeira instância. A partir daí, houve a recontagem de votos e Parra perdeu a vaga para o tucano.

“Não conheço o processo, mas é lamentável. Tenho ele como um grande amigo, mas ele não pensou no grupo. A atitude dele é meio desesperadora. Acho que a derrota é dura, mas o que aconteceu com o Beto (vitória no TRE) é irreversível”, disse Auricchio.

No recurso, Parra fala em cassação da chapa Auricchio/Vidoski. “O recorrido é inelegível, pois foi condenado em decisão proferida por órgão colegiado da Justiça Eleitoral por captação ilícita de recursos de campanha que implicou a cassação de seu mandato. Ao menos, é este o contexto jurídico tido por incontroverso no qual o recorrido está inserido. Verifica-se, portanto, sua correspondência à literalidade que implica imprescindivelmente sua inelegibilidade”, argumentou Parra em seu recurso no TRE.

Diplomação

Auricchio acredita que vai reverter a decisão contra o indeferimento, mas adiantou que essa sentença deve ocorrer somente no ano que vem, após o recesso do Poder Judiciário.

“Tenho muita confiança em Deus e na Justiça. Temos ainda os embargos que serão votados e, depois disso, ainda podemos recorrer ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Mas isso leva um tempo, porque há muitos processos a serem julgados. Existe um atraso de pelo menos 45 dias por conta da pandemia”, afirmou.

O tucano disse que o fato de não ser diplomado em 18 de dezembro, não impede que a Justiça o diplome em outra data e que acredita que o próximo presidente da Câmara terá de ser empossado prefeito interinamente em 1º de janeiro até o julgamento dos seus recursos. Auricchio tem 13 vereadores aliados. A Câmara conta com 19 parlamentares.

“Há o tempo de Deus, há o tempo da Justiça e há tempo dos homens e nem sempre eles caminham juntos. Não posso entrar no TSE tendo recursos em andamento no TRE. E também temos de lembrar que o recesso no Judiciário inicia em 19 de novembro”, concluiu Auricchio que acredita novos julgamentos somente em fevereiro ou março do ano que vem.

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações