2 de julho de 2022

O que esperar da Copa do Mundo Masculina de vôlei?

Mais visitadas

Competição que começa nesta segunda-feira e vai até 15 de outubro promete equilíbrio entre as potências do vôlei mundial

Copa do Mundo de Vôlei promete equilíbrio entre as potências do vôlei mundial. Foto: Reprodução

Vai começar a Copa do Mundo Masculina de vôlei nesta segunda-feira (30/09). O esquema é o mesmo da competição feminina, com doze seleções jogando entre si em um sistema de pontos corridos. Ao fim das onze rodadas, em 15 de outubro, quem pontuar mais será o campeão. Além do Brasil e do Japão, país-sede, participam da Copa a Argentina, a Austrália, o Canadá, o Egito, os Estados Unidos, o Irã, a Itália, a Polônia, a Rússia e a Tunísia. Ao contrário das últimas edições o torneio não vale vagas olímpicas. Em jogo mesmo estão prestígio, pontos no ranking mundial e, claro, a milionária premiação em dinheiro. O campeão leva cerca de R$2,5 milhões em dinheiro.O Brasil já venceu a Copa do Mundo duas vezes – em 2003 e 2007. Neste ano o time comandado por Renan dal Zotto chega como um dos favoritos para levar a taça. Só que o cenário atual do vôlei masculino sugere uma disputa equilibrada. Em teoria, Rússia, Estados Unidos, Itália e Polônia figuram junto aos brasileiros na galeria dos mais cotados para o título. Mas não se pode desprezar a força do Irã. Canadá e Argentina correm por fora e devem no máximo brigar por um lugar no pódio.

Contando nesta temporada com o reforço de Wilfredo León, cubano que se naturalizou polonês num processo semelhante ao de Leal pela seleção brasileira, a Polônia poderia ser alçada à condição de time a ser batido no Japão. Só que os poloneses foram derrotados pela aguerrida equipe da Eslovênia e ficaram de fora da final do Campeonato Europeu, que termina neste domingo. Será interessante observar o desempenho dos poloneses, atuais campeões do mundo.

Para o Brasil, a Copa do Mundo pode ser a oportunidade para voltar a subir no lugar mais alto do pódio em uma competição importante no cenário internacional. Desde a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio em 2016, a seleção masculina não venceu nenhum torneio relevante – com exceção de dois Sul-Americanos, que não valem muita coisa. O jejum coincide com o tempo que o técnico Renan dal Zotto está à frente do time. A seleção bateu na trave no Campeonato Mundial de 2018, quando ficou com a prata, e não subiu ao pódio nas duas últimas edições da Liga das Nações.

Com a ausência de Wallace, o oposto Alan terá a oportunidade de mostrar (mais) serviço e garantir desde já a vaga no time que jogará a Olimpíada de 2020. Flávio, Isac, Lucão e Maurício Souza travam uma briga interessante na posição de central. Mais uma vez haverá revezamento na posição de líbero com Thales (recepção) e Maique (defesa). Seria interessante ver Renan dando a oportunidade para que os dois atuem durante uma partida inteira, e não no esquema de revezamento. A não ser que o treinador tenha batido o martelo com antecedência e decidido levar os dois líberos para os Jogos Olímpicos. Não seria algo inédito, mas é improvável, já que isso significaria abrir mão de um atacante no elenco olímpico. (Da Agência Brasil)

 

 

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações