22 de outubro de 2021

Não houve fura fila da vacina na Fuabc, avalia Justiça Criminal e Corregedoria

Mais visitadas

Em junho, Conselho Superior do Ministério Público já havia arquivado investigação por considerar “inexistir qualquer irregularidade que demande a atuação do MP”

Funcionários administrativos da Fundação do ABC foram imunizados e Justiça Criminal e Corregedoria consideraram medida legal. Foto: Divulgação

A 3ª Vara Criminal de Santo André acaba de promover o arquivamento, após acolher pedido do Ministério Público, do inquérito policial que apurava denúncias sobre a campanha de vacinação contra a Covid-19 realizada pela Fundação do ABC e Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). A investigação teve início com base em denúncia anônima e a conclusão foi a de que: “Os elementos de informação colacionados aos autos indicam que não houve fraude na vacinação dos implicados. De fato, todos eles eram funcionários da ‘Fundação ABC’, ligados à área da saúde e, bem por isso, enquadráveis entre os ‘Trabalhadores da Saúde’, como se lê a fls 84/85, trecho do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação”.

A investigação concluiu inexistir “justa causa para a propositura de ação penal” e, “diante da ausência de indícios de prática criminosa”, foi promovido o arquivamento.

A fundamentação da 3ª Promotoria de Justiça Criminal de Santo André foi acolhida e, em 3 de julho, foi determinado pelo Judiciário o arquivamento dos autos.

SÃO CAETANO
Em São Caetano do Sul, a Corregedoria Geral do Município promoveu o arquivamento do processo 4912/2021, referente à sindicância apuratória sobre eventual “desvio de doses de vacinas contra o coronavírus”.

A Comissão Processante concluiu que: “Diante do exposto, a conclusão a que se chega e se submete à elevada consideração da douta Controladora Geral do Município, é a de que não restou comprovado desvio de conduta de Servidores da Municipalidade de São Caetano do Sul e nem por parte da Direção da Fundação do ABC, cessionária das doses prioritárias do imunizante, de sorte que a presente sindicância não reúne condição de evoluir para a instauração de procedimento administrativo disciplinar, devendo ser arquivada”.

A Controladora Geral do Município ratificou o parecer da Comissão Processante e promoveu o arquivamento em documento datado de 17 de junho.

MINISTÉRIO PÚBLICO
Em junho, o Conselho Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo já havia promovido o arquivamento da investigação sobre o suposto “fura-fila da vacina contra Covid-19” na Fundação do ABC e no Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC. A homologação do arquivamento foi publicada em 10/06/2021 no Diário Oficial do Estado, considerando “inexistir qualquer irregularidade que demande a atuação do Ministério Público, diante dos esclarecimentos prestados pela Fundação do ABC e FMABC”.

Conforme a decisão, “os funcionários relacionados na lista anexada à resposta apresentada pelo Centro Universitário FMABC enquadram-se na classe de ‘Trabalhadores da Saúde’ definidos tanto no Plano Nacional de Imunização quanto na complementação das orientações técnicas expedidas pela Coordenadoria-Geral do Programa Nacional de Imunizações, sejam por se tratar de profissionais da saúde ligados a atividade-fim (médicos, pesquisadores, enfermeiros, nutricionistas, etc), quanto as equipes da área de apoio (gerente, analista, comprador, auxiliar, administrativo, etc), lotados na Faculdade de Medicina do ABC e/ou Complexo de Saúde e Campus Universitário. Além disso, durante o expediente de trabalho compartilham áreas em comum do complexo de saúde (restaurante e refeitório), sanitários, estacionamento e demais áreas comuns” – informou o MP.

DENÚNCIA FALSA
No final de abril, a Fundação do ABC e o Centro Universitário FMABC foram vítimas de uma denúncia anônima falsa, relacionada à campanha de vacinação contra a Covid-19 realizada junto aos trabalhadores da Saúde que atuam no campus universitário, em Santo André.

Desde o início, a FUABC sempre foi transparente sobre a campanha de vacinação e enfatizou que todos os seus colaboradores são trabalhadores da Saúde, com direito à vacinação prioritária. A entidade, inclusive, mencionou que cidades do ABC já haviam vacinado as equipes administrativas da Saúde e que todos, de fato, deveriam ser imunizados.

“Antes mesmo da denúncia anônima falsa ser divulgada na imprensa, a Fundação do ABC procurou voluntariamente o Ministério Público para prestar todos os esclarecimentos. Sempre tivemos convicção da lisura dos trabalhos realizados e sabíamos que era questão de tempo para que a verdade aparecesse”, informa a presidente da FUABC, Dra. Adriana Berringer Stephan.

Para a dirigente, as decisões recentes fortalecem ainda mais a instituição, pois confirmam que a Fundação do ABC foi vítima e que os trabalhos são conduzidos com seriedade, probidade e transparência, em total concordância com o Termo de Ajustamento de Conduta assinado em 2019 junto ao Ministério Público do Estado de São Paulo.

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações