Moradores do Rudge dizem que bombas do piscinão funcionaram só 6h após enchente

Prefeitura nega, mas admite que devido ao temporal, a água extravasou a estrutura, invadiu a cabine de força e prejudicou funcionamento de painéis

 

piscinão
Ruas no bairro Rudge Ramos ficaram alagadas por conta das fortes chuvas que caíram no domingo. Foto: Reprodução/TV Globo

 

Moradores de São Bernardo que moram perto do piscinão do Rudge Ramos afirmaram que as bombas que atuam no escoamento da água só foram ligadas seis horas depois das enchentes deste domingo (10/03), que provocaram até a morte de um motociclista na cidade, levado pela enxurrada, no bairro do Taboão.

De acordo com pessoas que moram na região, o alagamento teve início às 22h, mas só foram ouvir o barulho das bombas por volta das 4h.

A Prefeitura de São Bernardo nega e informou que a estação elevatória da Vila Helena é equipada com duas bombas para escoamento da água e que os equipamentos “se encontravam em pleno funcionamento no momento da chuva do último domingo”.

Segundo a administração do prefeito Orlando Morando (PSDB), devido à intensidade do temporal, a água extravasou a estrutura, invadindo a cabine de força e prejudicando o funcionamento dos painéis elétricos. “Por isso, duas novas bombas com capacidade para 1.000 metros cúbicos por hora precisaram ser instaladas no local. Já as bombas originais foram religadas, por meio de geradores externos, depois do processo de emersão. No momento, o trabalho de retirada das águas na região segue comum total de quatro bombas, com objetivo de acelerar o processo de limpeza no local”, afirmou a Prefeitura. 

São Bernardo conta com 11 piscinões, sendo 10 do governo do Estado e um do município, além de seis estações elevatórias. As estruturas de responsabilidade municipal são o piscinão Tanque das Mulatas, com capacidade para armazenar 11.000 m³ de água, a estação elevatória da Rio Claro (37.000 m³), estação elevatória da Vivaldi (28,500 m³), estação da Vila Helena (4.000 m³), estação da Nelson Patrizzi (850m³), estação da Ipiranga (5.500 m³) e estação da Jacquey (6.200 m³).

A manutenção de todas estas estruturas foi realizada em dezembro de 2018, informou a Prefeitura. O governo alega que os serviços de limpeza de boca de lobo e remoção de resíduos também são feitos periodicamente. Os demais piscinões são de responsabilidade da DAEE. A Administração Municipal disse que envia ofícios semestralmente solicitando a limpeza dos mesmos.

Piscinão em construção

O maior piscinão da cidade e que deverá colocar um fim às enchentes na região do Centro da cidade está atualmente em fase de conclusão, com cerca de 87% das obras finalizadas. A previsão é que o piscinão seja inaugurado em agosto deste ano. Localizado no Paço municipal, o reservatório terá capacidade para armazenar chuvas de até 85 mm em duas horas. Mesmo sem estar concluído, o Piscinão do Paço contribuiu para minimizar os efeitos das chuvas, tendo recebido 150 milhões de litros durante a forte chuva deste domingo.

Calamidade

A Prefeitura de São Bernardo decretou estado de calamidade pública e alega estar mobilizada com um plano de ação para realizar atendimentos aos moradores atingidos, com ações como oferta de alojamentos, disponibilização de vale-refeição, vale-transporte gratuito por 15 dias e colchões novos para as famílias atingidas, além de acordo junto à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para uso gratuito da água fornecida pela concessionária por 30 dias, como forma de ajudar na limpeza das casas e entornos, entre outras medidas.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*