17 de maio de 2021

Mais de 300 pessoas participam de enterro de policial de São Bernardo; Veja vídeo

Mais visitadas

 Tristeza marca despedida de policial militar que estava desaparecida desde a semana passada e foi morta por bandidos em Paraisópolis

Cerca de 300 pessoas participaram na tarde desta terça-feira (07/08) do enterro da PM (Policial Militar) de São Bernardo Juliane dos Santos Duarte, 27 anos, que desapareceu na semana passada na comunidade de Paraisópolis, Zona Sul de SP, e foi encontrada morta nesta segunda-feira (06/08). Houve muita tristeza durante a despedida de amigos e familiares que foram até o Cemitério da Vila Euclides, em São Bernardo.

Durante o enterro foi cantado o Hino da PM. O Comandante do 3° BPM, Tenente Coronel Necho, disse que a Juliane prestava serviços na área de Americanópolis, na divisa de São Paulo com Diadema, e era uma “profissional prestativa, educada cumpridora da normas, solícita e amiga da equipe,” e que uma das últimas ocorrências esteve relacionada detenção entorpecentes.

De acordo com o comandante, a PM levou dois tiros, sendo um na virilha e outro na cabeça e que o corpo não tinha sinais de tortura.

O secretário da Segurança Pública, Mágino Alves Barbosa Filho, determinou o pagamento de até R$ 50 mil para quem fornecer informações que levem à identificação do responsável pela morte da policial militar Juliane. O DHPP investigará o caso com o acompanhamento do 89º DP, que já teve a prisão de um suspeito decretada pela Justiça. Diligências estão em andamento para apurar o envolvimento de outras pessoas no crime.

Policiais Militares se despendem da colega assassinada.

Entenda o caso

De acordo com a Polícia, a PM foi a Paraisópolis na última quarta (01/08) comemorar o nascimento do bebê de um casal de amigos. Na sequência foi a um bar no bairro, onde criminosos descobriram que ela era uma policial militar.

Segundo uma testemunha, na madrugada do dia 1º, às 3 horas, a policial foi ao banheiro e quando voltou ouviu a reclamação de uma pessoa que o celular havia sumido. Foi quando a PM sacou a arma da cintura e colocou sobre a mesa e ainda exigiu que o aparelho aparecesse, pois caso contrário ninguém sairia do bar. Ela ainda se identificou como policial.

Aproximadamente 40 minutos após esse episódio, conforme depoimento de amigas que estavam com a policial, quatro homens invadiram o local, sendo três encapuzados, portando armas de fogo. A policial, segundo o relato, foi baleada duas vezes e levada pelos bandidos.

Um suspeito de envolvimento no assassinato já foi preso na Zona Sul de São Paulo na tarde desta segunda e permanecerá detido temporariamente por duas semanas.

PM
Cerca de 300 pessoas participaram do enterro de policial.

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações