1 de julho de 2022

Juiz libera Câmara para apreciar cassação de Claudinho da Geladeira

Mais visitadas

Testemunha mudou versão sobre requerimentos da Câmara destinados ao Executivo e que são objeto de comissão processante contra o prefeito de Rio Grande da Serra

prefeito Claudinho da Geladeira
Judiciário libera votação contra Claudinho da Geladeira na Câmara. Foto: Divulgação

O juiz Alexadre Chiochetti Ferrari liberou a Câmara de Rio Grande da Serra para dar continuidade à tramitação do processo que analisa a cassação do prefeito de Rio Grande da Serra, Claudinho da Geladeira. Duas comissões foram aprovadas e instauradas em setembro do ano passado contra o chefe do Executivo. Uma delas trata de apuração de fura-fila da vacinação contra a Covid-19 e a outra a ausência de respostas a requerimentos de vereadores.

O juiz liberou a votação das comissões porque a testemunha Gabriel Campagnoli, que tinha declarado à Polícia que havia falsificação em documentos da Câmara voltou atrás nas declarações e foi ao MP (Ministério Público) para dir que teria mentido para prejudicar os vereadores que tinham feito a sua demissão no Legislativo.

De acordo com o despacho do juiz, as declarações na época fizeram o processo paralisar temporariamente na Câmara a fim que os fatos fossem esclarecidos.

“Contudo, sobreveio nova declaração de Gabriel, agora à Promotora de Justiça desta Comarca, no sentido de que a versão pretérita era inverídica e que ele a havia prestado em troca de dinheiro oferecido pelo impetrante e/ou seus assessores. Mais uma vez, nenhum juízo de valor é feito a respeito das alegações, pois, por ora, assim como antes, não se sabe e nem há mínimas condições de saber se procedem ou não tampouco é este, ou poderia ser, o objeto do presente “writ”. Contudo, é evidente que os processos foram suspensos em razão das alegações de Gabriel. E, assim sendo, uma vez retificadas, é natural que as suspensões sejam revistas, na medida em que superadas as razões que a determinaram. Assim, por fatos supervenientes, revogo a decisão e autorizo o regular prosseguimento dos Processos de Cassação”, despachou o magistrado.

 Entenda o caso

As duas comissões foram aprovadas e instauradas em setembro deste ano. Uma delas trata de apuração de fura-fila da vacinação contra a Covid-19 e a outra a ausência de respostas a requerimentos de vereadores.

O processo tramitava, mas a Justiça concedeu uma liminar em 9 de dezembro do ano passado e determinou que a Câmara suspendesse a votação de impeachment que ocorreria no dia 10 de dezembro contra o prefeito de  Rio Grande da Serra, Claudinho da Geladeira.

O despacho foi feito pelo juiz de Rio Grande da Serra que levou em conta uma investigação que estava sendo feita pela Polícia Civil a respeito de eventuais falsidades em assinaturas e rubricas falsas de documentos que tramitam na Câmara e que são apuradas por Comissões Processantes.

Uma das argumentações usadas pelo grupo do prefeito é de que o presidente da Câmara, Charles Fumagalli, teria interesse direto na instauração das comissões, porque sua irmã é a vice-prefeita Penha Fumagalli (PTB), e assumiria o comando da Prefeitura em caso de cassação do mandato de Claudinho da Geladeira.

O ABCD procurou a assessoria do prefeito para comentar a decisão. A Prefeitura emitiu uma nota. “A gestão Claudinho da Geladeira tomou conhecimento da decisão judicial agora à noite,  e se reunirá com os seus advogados para saber os próximos passos. Por essa razão, não tem condições de opinar sobre essa questão”, afirmou.

 

Mais publicações

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Últimas publicações