Em depoimento à CPI do impeachment contra Atila, Alaíde evita polêmica

Vice-prefeita, acompanhado do marido, ex-prefeito Leonel Damo, foi à Câmara e afirmou que cabe à comissão analisar vacância do cargo de prefeito

 

 

vice-prefeita
Alaíde Damo vai à Câmara e evita polêmica na comissão de impeachment. Foto: Divulgação

A vice-prefeita de Mauá, Alaíde Damo (MDB), prestou depoimento nesta quinta-feira (14/03) na Comissão de Impeachment instaurada na Câmara contra o prefeito Atila Jacomussi (PSB) que apura a vacância do cargo. O chefe do Executivo ficou ausente da Prefeitura durante 64 dias, porque foi preso pela Polícia Federal em dezembro e só retornou ao cargo fevereiro. Pela LOM (Lei Orgânica do Município) a ausência é permitida por apenas 15 dias sem autorização legislativa.

Ao ser indagada sobre sua visão houvea vacância do cargo, Alaíde disse que “cabe à Comissão avaliar esse tema”, ou seja, evitou criar polêmicas diante do fato. Caso o prefeito sofra o impeachment, é ela quem assume o comando da Prefeitura. Apesar de ter rompido com Atila, se manteve neutra na questão.

No ano passado, a viceprefeita ficou à frente do Paço dua vezes, durante as duas prisões de Atila pela Polícia Federal. Atila é acusado de arrecadar propina de empresas fornecedoras do município e dividir com 21 dos 21 vereadores, além de um suplente. Seria uma espécie de mansalinho. Todos negam.

A vice -prefeita, que foi para a Câmara acompanhada do marido, o ex-prefeito Leonel Damo, respondeu perguntas referentes a datas de suas posses , como prefeita. O depoimento durou cerca de 30 minutos.

Durante a oitiva, o advogado do prefeito, Leandro Petrin, pediu e foi atendido, que seja solicitado ao Executivo uma resposta em 48 horas, sobre o o Livro De Transmissão de Posse dos Prefeitos de Mauá.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*