Dupla de Santo André conquista pódio inédito no 26º Transparaná

Gustavo Amorim e Débora Bonatti ficaram em terceiro lugar na categoria Turismo

 

Gustavo Amorim e Débora Bonatti ficaram em terceiro lugar na categoria Turismo. Foto: Divulgação/PSBC

O Transparaná tem a missão todos os anos de abrir a temporada de rallys na região Sul do Brasil. E faz isso com uma das provas mais desafiadoras do país que reúne os melhores competidores das categorias Master, Graduado, Turismo e Turismo Light. No total, pilotos e navegadores percorreram mais de 800 quilômetros em provas que chegavam a quase oito horas de duração a cada dia. A competição aconteceu de 5 a 8 de fevereiro e reuniu mais de 50 veículos que passaram pelas cidades de Guarapuava, Imbituva, Castro e Curitiba. Entre os destaques deste ano esteve uma dupla de Santo André, que conquistou o terceiro lugar na classificação geral da categoria Turismo. O piloto Gustavo Amorim e a navegadora Débora Bonatti fizeram sua segunda participação na competição.

O 26º Transparaná contou com direção de prova de Vander Hirt, o Fritão, largou de Guarapuava e percorreu estradas de terra em deslocamento, reflorestamentos e fazendas fechadas com os carros passando por terrenos acidentados com muita poeira e barro. A chuva nas regiões durante o percurso foi esparsa e não chegou a interferir muito nas condições dos terrenos. Depois de passar por Imbituva e Castro, os competidores seguiram para Curitiba cumprindo um trecho em uma pedreira. A região proporcionou lindas imagens e muitas pegadinhas para definir de vez o título do campeonato em cada categoria.

Terceiro lugar com gosto de vitória

Gustavo e Débora comemoraram muito o terceiro lugar da categoria Turismo no 26º Transparaná. Foi apenas a segunda vez que a dupla participou da competição, que considera uma das mais difíceis do Brasil. “Nosso primeiro Transparaná foi em 2018, quando nós decidimos começar a correr provas maiores em duração e mais difíceis como uma forma da gente elevar o nosso nível técnico. Então em 2018 fizemos o Transparaná e apanhamos muito. Não temos vergonha de dizer que a gente não pegou pódio nenhum dia e terminamos em oitavo lugar na classificação geral”, comenta Gustavo.

Em 2020 a dupla voltou para o Transparaná para testar todos os conhecimentos que veio adquirindo no esporte nos últimos dois anos. “Nós entramos com muita garra para pôr à prova tudo que a gente vem aprendendo, tanto na parte técnica de navegação como as minúcias de pilotagem e a preparação do carro. O Transparaná é um grande palco para esse teste porque é uma prova que tem na sua premissa ser muito difícil, quem vem para o Transparaná vem para sair achando os outros rallys mais fáceis. Por isso que a gente foi com muito prazer fazer essa prova”, destaca.

A dupla de Santo André compete com uma Pajero TR4 ER, a álcool e 2.0, apelidada carinhosamente de “Feroz”, e equipada com pneus CooperTires. A TR4 ER tem preparação especial para corrida sob responsabilidade de Keller Competições. Gustavo e Débora ainda contaram com a revisão pré-prova de André Cebola e durante o Transparaná com o apoio técnico da equipe da Nôno Racing, de Adael Barreto. “Para competir com esses ‘Trollers’ não pode ser qualquer carrinho. Mesmo com toda a preparação, quando vimos o grid percebemos que o primeiro desafio estava ali. Nosso carro era o único abaixo de duas toneladas. Isso antes de começar já se postou como um desafio de brigar com os grandes e buscar essa superação técnica em relação ao equipamento, mas o Feroz é um carro muito valente e a gente colocou ele no limite e deu certo”, conta o piloto de Santo André.

E a superação deu certo. Gustavo e Débora conquistaram um segundo lugar no pódio no primeiro dia de Transparaná, ficaram em terceiro em Imbituva e Castro e encerraram a competição com uma primeira colocação em Curitiba. “Desses quatro dias de provas, os dois últimos foram muito importantes. O terceiro dia foi mais desafiador pra mim como piloto. Tivemos uma etapa na pista de kartcross com a velocidade alta e todos os balaios (trechos mais difíceis e com pegadinhas) mais acelerados e as médias bem justas, foi o dia que eu mais ralei para conseguir andar e terminamos em terceiro. E aí veio o quarto dia que era a decisão do campeonato. Nós estávamos ali na disputa pelos primeiros lugares, então a gente entrou com garra. Foi o dia da parte mais técnica e a Débora ralou pra conseguir fazer os balaios”, detalha Gustavo.

Com um grid de peso, quatro dias de provas cansativas e muita dificuldade envolvida, a dupla de Santo André comemorou o resultado no Transparaná e considera a conquista a maior até agora em sua trajetória pelo rally de regularidade. “Foi um terceiro lugar muito feliz de ganhar para quem veio do último Transparaná só com o oitavo da geral. Foi uma grande superação e a gente não só agradece a organização, o pessoal do apoio, os mecânicos, mas a gente deixa o nosso parabéns para todo o levantamento de prova e a direção. O objetivo do Transparaná é ser uma prova difícil, uma aventura mesmo. Já é uma emoção concluir a competição e para nós concluir o Transparaná com pódios todos os dias fazendo uma boa classificação na geral, foi talvez, até o presente momento, a nossa maior conquista no rally”, afirma.

Confira abaixo as cinco melhores duplas de pilotos e navegadores do 26º Transparaná em cada categoria:

MASTER
1º Gustavo Schmidt – Guga (São José-SC) e Enedir da Silva Junior – Bolacha (Chapecó-SC)
2º Flávio Roberto Kath – Poder (Blumenau-SC) e Rafain Walendowsky (Brusque-SC)
3º Marcelo Gouveia – Sapatero (Curitiba-PR) e Igor Guirrembach (Castro-PR)
4º Leandro Rodrigo Riffel (Piratuba-SC) e Michael Masson (Capinzal-SC)
5º Cristiano Rocha (Luiz Eduardo Magalhães-BA) e Roberto Spessato (Chapecó-SC)

GRADUADO
1º Júlio Schlindwein Júnior – Kuka e Ivo Renato Mayer (Brusque-SC)
2º Deonilson Salla – Marvado e Leandro Macedo Ferreira – Lelê (Curitiba-PR)
3º Juliano Meira e Rafael Benavides (Sorocaba-SP)
4º Dirceu Potrich (Ipira-SC) e André Luiz Lenger – Bulita (Chapecó-SC)
5º Ivan Roberto Laidens (Curitiba-PR) e Leonardo Menarim (Castro-PR)

TURISMO
1º Rafael Decker (Cascavel-PR) e Marcos Vinícius Marchioro (Francisco Beltrão-PR)
2º César Leobet e Eduardo Leobet (Piratuba-SC)
3º Gustavo Amorim e Débora Bonatti (Santo André-SP)
4º Eder Reis (Brusque-SC) e André Tondin (Piratuba-SC)
5º Matheus Henrique do Nascimento e Juliano Fross (Toledo-PR)

LIGHT
1º Alessandro Weirich e Gabriela Weirich (Curitiba-PR)
2º João Martins Marques e Fabiana Gonçalves Marques (Maringá-PR)
3º Marcelo Vassoler Sanches e João Batista de Freitas (Guarulhos-SP)
4º Vinícius Parizotto e Felipe Tavares (Castro-PR)

Texto: Aline Ben da Costa/Comunicação 4×4