Doria diz que CoronaVac é segura e tem taxa de eficiência de 98% em idosos

Vacina chinesa é testada pelo Butantan em 9 mil voluntários em 12 centros de pesquisa, entre eles o da Universidade de São Caetano do Sul

Doria, acompanhou, em julho, a aplicação da primeira dose da vacina Coronovac no Hospital das Clínicas de São Paulo. Foto: Divulgação

 

O governador João Doria Governo do Estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (09/09) que a CoronaVac, a potencial vacina testada pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac, é segura. Segundo Doria, a taxa de eficiência na imunização de idosos é de 98%. “Até agora os resultados têm sido extremamente positivos. Não houve reação adversa até o momento e os testes estão em estado avançado”, afirmou.

O governador  ainda lamentou a interrupção nesta terça-feira (08/09) dos testes da vacina de Oxford depois que um voluntário do Reino Unido teve reações. “Lamento o que aconteceu com a de Oxford e ressaltamos que não há disputa de vacinas. Mas é importante que se tenha a eficiência comprovada, não importa fabricante ou origem”, disse Doria.

“A nossa corrida não é para ver quem tem a primeira vacina, mas pela vida. Todas as vacinas que forem positivas e aprovadas devem ser colocadas a disposição. Não importa se inglesa, francesa, russa. Ela tem que ser válida, testada e aprovada. Não importa a marca ou a origem. Tem que imunizar a população com segurança e eficiência.”, completou.

A CoronaVac está sendo testada desde o dia 21 de julho em 12 Centros de Pesquisas, entre eles o da USCS (Universidade de São Caetano do Sul). A testagem envolve 9 mil voluntários, Até agora, não houve incidentes.

“Os prognósticos são promissores e, em breve, teremos uma vacina para imunizar todo o país. O aumento da importação e da capacidade de produção dependerão do Ministério da Saúde. Se o Ministério oferecer recursos para aumentar a capacidade de importação, o Butantan vai fazer. Assim como produzir na sua estrutura. Havendo disposição, havendo visão republicana de prioridade pela saúde dos brasileiros, a CoronaVac poderá suprir o atendimento a milhões de brasileiros. Ainda assim, mais de uma vacina será necessária”, concluiu Doria