Craisa ganhará mercado municipal e Sto.André terá 4 mil novos empregos

Companhia Regional de Abastecimento Integrado passará por revitalização e ampliação; boxes subirão de 63 para 216

Mercado Municipal que será construído na Craisa vai gerar 4 mil empregos diretos. Foto: Divulgação/PSA-Alex Cavanha

 

O prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), anunciou nesta terça-feira (24/09) que a Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André), que fica na avenida dos Estados, será revitalizada e ampliada. A previsão é de que sejam criados 4 mil empregos diretos, pois haverá a construção de um Mercado Municipal.

De acordo com o prefeito, número de boxes de 63 para 216 e incremento no número de pedras (divisões de espaços delimitadas apenas no chão), de 81 para 132, inclui ainda a modernização das instalações e do estacionamento.

O superintendente da Craisa, Reinaldo Messias, informou que o complexo onde fica a Craisa será concedido à iniciativa privada por um prazo de 30 anos, com previsão de investimento de R$ 186 milhões da empresa ou do conjunto de empresas vencedoras, R$ 20 milhões de outorga fixa e no mínimo 3% da receita direcionados para os cofres públicos. O tempo de obra estimado é de 2 anos e meio após o início da construção.

Os novos boxes serão concedidos pela empresa vencedora da licitação. Os que já existem continuarão sendo gerenciados pela Craisa já que houve uma concessão. Quem conquistar os novos boxes pagará luvas à empresa, que repassará parte do valor ao município.

Além dos 4 mil empregos diretos, o superintendente informou que serão gerados 15 mil empregos indiretos

“Com o mesmo choque de gestão que aplicamos em toda a cidade, conseguimos colocar as contas em dia, um objetivo que parecia difícil de alcançar. Encontramos a Craisa em uma situação que dificultava qualquer tipo de contratação, de concessão. Mas agora a empresa obteve certidão negativa de débito depois de 28 anos no vermelho. Com a melhora da saúde financeira da empresa foi possível dar esse passo maior, que é ir em busca da Craisa do futuro”, afirmou o prefeito Paulo Serra.

 

Audiência Pública sobre a Companhia Regional de Abastecimento Integrado aconteceu nesta terça-feira. Foto: Divulgação/PSA-Alex Cavanha

 Contas

Durante entrevista coletiva, o superintendente da Craisa informou que em 2017 a Craisa tinha R$ 68 milhões de patrimônio líquido negativo, contra  R$ 33 milhões negativos de 2019. A Craisa registrou também aumento de receita própria, o que significa que a empresa está com cada vez mais autonomia financeira em relação ao orçamento municipal. A receita própria evoluiu de aproximadamente R$ 8 milhões em 2016, para R$ 9 milhões em 2017, R$ 11 milhões em 2018 e R$ 12 milhões estimados para esse ano.

O superintendente  Reinaldo Messias atribui esses resultados a ações como redução de despesas, renegociação de contratos, regularização dos complexos da Vila Luzita e de Santa Teresinha, regularização dos boxes do Ceasa do Grande ABC (que fica dentro da Craisa) e regularização dos produtores rurais. “A Craisa voltou a ter o nome limpo e as contas de 2017 já foram aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo”, comemorou Messias.