Cincinato e Fernando Rubinelli não terão legenda do PDT para disputar reeleição

Partido em Mauá não terá candidatos que já exerçam mandato; vereadores já negociam com outras legendas

 

parecer
Cincinato Freire vai deixar o PDT, mas ainda não anunciou partido. Foto: Divulgação

Os vereadores de Mauá do PDT Cincinato Freire e Fernando Rubinelli não terão a legenda do PDT para disputar a reeleição neste ano. Na noite desta terça-feira (11/02), durante aula da Escola de Governo, que contou com a presença do jurista Silvio Salata, especialista em direito eleitoral, o partido anunciou novas regras aos interessados em disputar uma cadeira no Legislativo pela sigla.

“Ficou definido que o partido não terá candidatos que já exerçam mandato de vereador nesta legislatura e que 50% das vagas da chapa de candidatos serão destinadas a candidaturas femininas. Dessa forma, todos os pré-candidatos e pré-candidatas vão disputar o pleito de forma justa e igualitária. Pretendemos ampliar e renovar a bancada do partido na Câmara Municipal”, disse presidente do PDT (Partido Democrático Trabalhista) de Mauá, Cláudio Donizeti Lourenço.

Fernando Rubinelli deve migrar para o PTB, onde seu pai e ex-deputado federal Wagner Rubinelli deve ser candidato a prefeito no pleito deste ano. O futuro de Cincinato ainda é incerto, mas tem conversado com várias legendas.

O presidente do PDT , Cláudio Donizeti Lourenço, voltou a frisar que o partido continua passando por um processo de reformulação e fortalecimento de seus quadros de filiados.

De com o dirigente do PDT, o foco da sigla será a manutenção dos ideais trabalhistas, sustentados por sua história em defesa dos direitos dos trabalhadores, da educação, do desenvolvimento e da justiça social.

Para a secretária geral do partido, Bárbara Guimarães, as decisões tomadas vão de encontro ao objetivo do partido de estimular a candidatura de mulheres. “É preciso pensar na participação feminina não só para cumprir cota, mas para ocupar os espaços de poder na política”, afirmou.

 

Fernando Rubinelli (lado direito) deve se filiar ao PTB, partido em que seu pai, Wagner Rubinelli, está após aval de Campos Machado. Foto: Reprodução