Auricchio anuncia que ambulatório pós-covid será entregue na semana que vem

 Novidade sobre início de atendimento foi falada durante live que prefeito de São Caetano fez com Manetta; ambos debateram as complicações e sequelas pós-covid-19

 

Auricchio e Manetta debatem Complicações e Sequelas pós-covid-19. Foto: Divulgação

 

São Caetano do Sul é referência nacional e internacional no enfrentamento à covid-19. O prefeito e candidato à reeleição, José Auricchio Júnior (PSDB), anunciou uma das novidade, que é a criação do ambulatório pós-covid-19, no Bairro Barcelona, que deverá começar a funcionar na semana que vem. E foram exatamente as Complicações e Sequelas da doença o tema de mais uma live do chefe do Executivo, na noite desta quinta-feira (1/10).

Dessa vez, o convidado foi o médico intensivista José Antônio Manetta, um dos colaboradores da construção do plano de governo de Auricchio. Ambos debateram de forma técnica os cuidados com os pacientes que contraíram a covid-19, que podem apresentar diversas complicações, como AVC, infarto, trombose, embolia pulmonar, doenças do trato gastrointestinal, reações inflamatórias, insuficiência cardíaca e renal, lesões de pele, meningite, fraqueza muscular e lesões nas articulações.

“Se o paciente não tiver uma intervenção rápida, a covid-19 poderá se prolongar por muito tempo, evoluindo para um quadro grave. Por isso, não tenho dúvidas de que a nossa unidade de acompanhamento fará a diferença na vida das pessoas”, afirmou Auricchio.

A Prefeitura já iniciou a busca ativa dos mais de 3 mil moradores que se recuperaram da doença. A unidade de acompanhamento fará a triagem e encaminhará para médicos especialistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, nutricionistas e psicólogos, entre outros profissionais. “Nossa prioridade é salvar vidas e, também, devolver o paciente saudável para o convívio familiar”, reforçou o prefeito.

Manetta seguiu a mesma linha, e elogiou a criação do ambulatório – a Prefeitura de São Caetano é a única do Brasil a adotar a iniciativa. “Esse acompanhamento no pós-alta é tão ou mais importante quanto o acompanhamento hospitalar. Sem apoio, o paciente pode ter agravamento do quadro e voltar para o hospital”, ressaltou. “Esta é uma ação que dá dignidade ao paciente”, concluiu.

Auricchio e Manetta também pediram para as pessoas seguirem os cuidados contra a infecção por covid-19, mesmo diante da desaceleração do número de casos na cidade. A média móvel, que era de 21,3% em 2 de agosto, agora está em 12,3% – a Prefeitura já testou mais de 70 mil pessoas contra a doença.