Atila diz que tomar decisão de parar transporte público foi difícil, mas necessária

Ônibus vão parar nos sete municípios do ABC a partir do dia 29; decisão foi tomada pelo Consórcio Intermunicipal nesta quarta

Atila diz que tomar decisão de parar transporte público foi difícil, mas necessária. Foto: Divulgação/PMA-Elson Alex

 

Em transmissão pelas redes sociais nesta quarta-feira (18/03), o prefeito de Mauá, Atila Jacomussi, comunicou à população a paralisação gradual das 48 linhas de ônibus municipais até 28 de março, assim interrompendo na totalidade no dia 29 (domingo), devido ao novo coronavírus (Sars-Cov-2), responsável pela doença Covid-19. No mesmo dia, a administração municipal informou a cidade tem um caso positivo de infecção, 47 suspeitos, três descartados e nenhum óbito.

A suspensão gradativa das linhas municipais, operadas pela concessionária Suzantur, teve início já nesta quinta-feira (19/03), começando com 16% da frota. A medida foi confirmada durante a manhã desta quarta-feira em conjunto com os outros seis municípios da região (Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra), por meio de assembleia extraordinária de prefeitos no Consórcio Intermunicipal Grande ABC.

Durante a transmissão em sua página do Facebook, Atila classificou a decisão como “difícil, mas necessária” para controlar o surto do coronavírus. “Agora é tempo de unir esforços. Em Mauá, já adotamos as medidas necessárias para proteger a população, consciente da nossa responsabilidade e cuidando dos moradores de nossa cidade. Sei que é uma decisão muito difícil, mas devemos fazer esse esforço para conter o Covid-19. Tenho certeza de que vamos vencer essa pandemia”, disse.

 

Ônibus vão parar nos sete municípios do ABCD a partir do dia 29. Foto: Divulgação/

 

Nesta terça-feira, Atila assinou o decreto municipal 8.670, que contempla um pacote de medidas contra o coronavírus, como a suspensão sucessiva das atividades das escolas municipais, fechando-as a partir da próxima segunda-feira (23/03). O dispositivo também prevê a dispensas de servidores com 60 anos ou mais, gestantes, diabéticos, hipertensos, doenças autoimunes e outras patologias que os deixem dentro do grupo de maiores riscos, sem prejuízo de suas remunerações mensais.

O governo também decidiu anular temporariamente as férias de funcionários públicos da Saúde e Segurança Pública, e suspender atividades acima de 100 pessoas. A administração municipal orienta igrejas, o shopping, cinemas e organizações sociais a não realizarem eventos. Todas as agendas esportivas e culturais estão paralisadas, com parques e ginásios fechados por tempo indeterminado, além do Paço promover capacitação de profissionais sobre o coronavírus na rede pública hospitalar.

A rede de Saúde de Mauá conta com 22 UBSs (Unidades Básica de Saúde), quatro UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) e leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital de Clínicas Doutor Radamés Nardini. Pessoas que tenham os sintomas da gripe comum não devem procurar os postos de saúde por causa da doença, o que aumentaria a chance de eventuais contágios, exceto os casos que apresentem também febre alta e dificuldade respiratória.

Os sintomas mais comuns do coronavírus são febre, tosse seca, dores no corpo e mal-estar, cansaço, dores de garganta e cabeça, e falta de ar. Como prevenção, recomenda-se lavar as mãos até a metade do pulso, esfregando também as partes internas das unhas, usar álcool 70%, tossir ou espirrar levando ao rosto à parte interna do cotovelo, evitar tocar nariz, olhos e boca antes de limpar as mãos, manter distância de aglomerações de pessoas, entre outras medidas.

Linhas intermunicipais

A paralisação do transporte coletivo abrange apenas as linhas operadas pela Suzantur, não valendo para os ônibus da EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos) e para a Linha 10 – Turquesa da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que conta com três estações na cidade (Capuava, Mauá e Guapituba). Em coletiva nesta quarta-feira, o governador João Doria afirmou que as duas empresas e o Metrô seguirão operando, por ora.